Artrose de Quadril


Para entender o que é artrose torna-se necessário, primeiramente, compreender o que é a cartilagem articular. A cartilagem de uma articulação é um tecido que reveste as extremidades dos ossos onde estes se encaixam e articulam-se entre si.  Sua composição e organização é tal que proporciona os movimentos da articulação com o menor atrito e esforço possíveis.    Além destas propriedades, as articulações produzem um líquido que nutre a cartilagem e a lubrifica, melhorando assim o desempenho das mesmas.

A artrose é uma doença degenerativa própria da cartilagem articular que desaparece ou está bastante reduzida e pode comprometer qualquer articulação do corpo humano.

Apesar de ser muito mais frequente na população idosa, não existe uma relação direta de causa/efeito entre idade avançada e artrose, o que não impede que um paciente jovem venha a desenvolvê-la. Isto acontece porque o envelhecimento não é uma causa específica de artrose mas evidentemente, o uso de uma articulação, que ocorre com o passar dos anos, em associação com determinadas condições, torna o desenvolvimento da artrose muito mais comum na terceira idade.

No quadril existem algumas causas já bem definidas para artrose que nesta articulação chamamos de coxartrose. As principais delas são alterações no formato ósseo e no encaixe, seja no fêmur (osso da coxa) e/ou no acetábulo (osso da bacia onde o fêmur se articula). Displasia do desenvolvimento do quadril (DDQ), impacto femoro-acetabular, coxa profunda/protrusão acetabular são algumas doenças causadoras destas alterações. 

Outas doenças e condições também podem culminar com artrose do quadril, tais como: sequelas de fraturas, doenças reumáticas, necrose avascular da cabeça do fêmur, sequelas de doenças da infância, sequelas de infecções do quadril, entre outras.

A coxartrose é uma doença progressiva, muito incapacitante que gera dor, diminuição na quantidade do movimento, dificuldade para caminhar e consequentemente redução da qualidade de vida da pessoa acometida em graus variáveis, conforme seu estágio de evolução.

Seu tratamento objetiva manutenção ou recuperação da qualidade de vida do paciente uma vez que, nos dias atuais, a medicina mundial não dispões de terapias eficazes que revertam a doença ou promovam o desenvolvimento e recuperação da cartilagem que desapareceu ou está danificada.

As alternativas de tratamento variam conforme o tempo de evolução da doença, intensidade dos sintomas, estilo de vida e condições de saúde do paciente estando à disposição da equipe médica e do paciente o tratamento conservador (não cirúrgico) ou o tratamento cirúrgico.

O tratamento conservador inclui o uso de  medicamentos, fisioterapia apropriada, redução de peso, adequações de atividade física e estilo de vida compatíveis, entre outros cuidados.

Como opções cirúrgicas, dependendo de cada caso, é possível optar pelo tratamento preservador da articulação do quadril (cirurgia preservadora) ou substitutivo através do implante de uma articulação artificial que é a prótese de quadril.