Especial COVID-19

Covid-19 provocou mais 99 mortes no Brasil nas últimas 24 horas e, neste domingo, o total de óbitos no país subiu para 1.223. De acordo com balanço do Ministério da Saúde, foram confirmadas mais 1.442 pessoas infectadas.

O índice de letalidade do vírus Sars-Cov-2 no Brasil é de 5,5%. Na Espanha, o número de novas mortes voltou a cair nesta segunda-feira: 517, o segundo número mais baixo desde 24 de março, confirmando tendência de desaceleração de óbitos e de casos no país (dados em 13 de abril de 2020).





O que é o coronavírus?


Os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar doenças em animais ou humanos. Em humanos, sabe-se que vários coronavírus causam infecções respiratórias que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença denominada coronavírus COVID-19.

COVID-19 é a doença infecciosa causada pelo coronavírus descoberto mais recentemente. Este novo vírus e doença eram desconhecidos antes do início do surto em Wuhan, China, em dezembro de 2019.

O novo coronavírus está provocando a doença COVID-19, o que causa um importante impacto em muitas pessoas, incluindo os pacientes com câncer, seus familiares e cuidadores. Pacientes com câncer estão entre aqueles com alto risco de doenças graves devido a uma infecção porque seus sistemas imunológicos estão frequentemente enfraquecidos pelo câncer e seus tratamentos.

A maioria dos pacientes tratados no passado (há alguns anos) provavelmente tem uma função imunológica normal, mas cada pessoa é diferente. É importante que todos os pacientes com câncer e ex-pacientes, estejam em tratamento ou não, conversem com um médico que entenda sua situação e histórico clínico.

Também é importante que os pacientes e seus cuidadores tomem precauções para diminuir o risco de contrair COVID-19. O CDC (Centers for Disease Control and Prevention) tem recomendações específicas para pacientes em risco de doenças graves, incluindo infecção por coronavírus e a COVID-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que a disseminação do coronavírus e a COVID-19 atingiu o nível de pandemia. O CDC descreve uma pandemia como uma epidemia que se espalhou por vários países ou continentes, afetando um grande número de pessoas.

A maioria dos casos iniciais ocorreu na China, mas outros países, incluindo Coréia do Sul, Irã e Itália, também tiveram uma expansão significativa da COVID-19. Esse novo coronavírus também se espalhou pelos Estados Unidos e pelo Brasil. As autoridades de saúde recomendam que as pessoas fiquem em casa o máximo possível, incluindo trabalho e educação em casa, para diminuir a propagação do vírus.

Embora as notícias sobre essa pandemia estejam mudando diariamente, conhecer alguns fatos básicos sobre o que pode e o que não pode ser feito para evitar o adoecimento é muito importante e empoderador.


Como o vírus se espalha?



O vírus se espalha principalmente de pessoa para pessoa:

Quando alguém infectado tosse ou espirra, o vírus pode se espalhar nas gotículas expelidas durante a tosse ou espirro.
Essas gotículas podem chegar à boca ou ao nariz de pessoas que estão em contato próximo (aproximadamente 1,80 m de distância), o que pode levar a uma contaminação pelo coronavírus e posteriormente infecção, com probabilidade de desenvolver a doença da COVID-19.
Essas gotículas também podem pousar em superfícies nas quais as pessoas podem tocar. Isso pode levar a uma infecção se uma pessoa posteriormente levar a mão à boca ou ao nariz.


A OMS afirma que os estudos sugerem que os coronavírus podem sobreviver nas superfícies por algumas horas ou até vários dias. Se você acredita que uma superfície pode estar infectada, limpe-a com um desinfetante simples ou álcool 70% para eliminar o vírus. Proteja a si e aos outros!


Como evitar o coronavírus

Existem algumas coisas que todos nós podemos fazer para diminuir o risco de sermos infectados (e transmitir para outras pessoas):


Lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, porque é uma das melhores maneiras de matar os germes e impedir a propagação dos mesmos para outras pessoas. Se água e sabão não estiverem disponíveis, use um desinfetante para as mãos à base de álcool com pelo menos 70% de álcool.

Evite tocar nos olhos, nariz e boca porque, se você pegar o vírus, poderá se infectar permitindo que ele entre no seu corpo.

Evite o contato próximo – distância entre 1,50 m e 2m entre as pessoas, principalmente aquelas com tosse ou que espirram.

Em caso de tosse ou espirro, cubra o rosto com um lenço de papel descartável e jogue-o no lixo, ou tussa ou espirre colocando o braço e antebraço sobre o nariz e a boca para evitar que as gotículas se espalhem pelo ar.

Evite apertar as mãos de outras pessoas.

Fique em casa o máximo possível e evite reunir-se em grupos.

Fique em casa quando estiver com sintomas de gripe e se apresentar piora dos sintomas, entre em contato com seu médico ou procure assistência médica.

Limpe e desinfete objetos e superfícies frequentemente tocados usando álcool 70% e desinfetantes.

Evite sair de casa e viagens que não sejam prioritárias.



Será que é COVID-19?

Os sintomas mais comuns da COVID-19, que podem aparecer de 2 a 14 dias após a infecção com o coronavírus são:

Febre.
Tosse seca.
Falta de ar.
Alguns pacientes podem apresentar diarreia ou náuseas antes que esses sintomas apareçam.

Outros sintomas podem incluir:

Dores no corpo.
Congestão nasal.
Coriza.
Dor de garganta.
Entre em contato, imediatamente, com o seu médico se apresentar algum desses sintomas.

Se você ou seu cuidador apresentar algum dos seguintes sinais e sintomas procure atendimento médico imediatamente:

Febre
Dificuldade respiratória ou falta de ar.
Dor ou pressão constante no peito.
Confusão mental ou dificuldade de acordar.
Lábios ou rosto azulados.


Tratamentos para a COVID-19

No momento não existem medicamentos aprovados para o tratamento da COVID-19, embora alguns medicamentos possam ser úteis no tratamento dos sintomas da doença.

Os antibióticos não são úteis contra a COVID-19, porque só agem no combate às infecções causadas por bactérias e não vírus.

Um medicamento chamado cloroquina, aprovado para o tratamento da malária, está sendo estudado como um possível tratamento contra a COVID-19. Por ser um medicamento aprovado para tratar outra doença, alguns médicos estão testando em alguns pacientes com COVID-19. Entretanto, para que se possa afirmar que a cloroquina é eficaz contra o coronavírus e a COVID-19, ainda é necessário estudá-la em ensaios clínicos, o que pode demorar algum tempo.

Não existem evidências que demonstrem que suplementes dietéticos atuem contra o coronavírus e a COVID-19.


Mitos e verdades sobre o coronavírus


Qualquer álcool gel serve para se prevenir contra o vírus.

Mito. O álcool em gel comercializado em farmácias tem composição de álcool etílico a 70%, que é o recomendado nestes casos. Higienize regularmente as mãos com álcool gel 70% ou água e sabão para ajudar na eliminação do vírus.

Já existe vacina contra o coronavírus.

Mito. Até o momento não há vacinas nem medicamentos específicos para prevenir ou tratar o COVID-19.

Tomar vitamina D ajuda a prevenir o coronavírus.

Mito. Apesar da notícia que circula de que pacientes internados na Itália tinham baixos níveis de vitamina D no organismo, pesquisadores afirmam que o uso da substância não seria capaz de impedir a infecção pelo COVID-19.

Melhorar a imunidade ajuda no combate ao coronavírus.

Verdade. Apesar de não existirem alimentos que ajudem na prevenção do COVID-19, uma dieta balanceada ajuda sim, o organismo a se manter mais preparado para combater doenças, vírus e bactérias.

Tomar vacina da gripe protege contra o coronavírus.

Mito. Até o momento não há vacinas nem medicamentos específicos para prevenir ou tratar o COVID-19.  A vacina da gripe protege somente contra o vírus Influenza. A vacina pneumocócica conjugada 13-valente previne doenças causadas pelo Streptococcus pneumoniae, como pneumonia e meningite.

Pacientes com baixa imunidade precisam usar máscara para sair de casa.


Verdade. Pacientes oncológicos e imunossuprimidos devem usar máscaras ao sair de casa e principalmente ao irem a ambientes hospitalares, como ao fazer sessões de quimioterapia, por exemplo.

O coronavírus sempre existiu.

Verdade. Coronavírus é o nome de uma grande família de vírus conhecida desde 1960. Eles causam infecções respiratórias e já provocaram outras doenças, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). A doença causada pelo novo coronavírus recebeu o nome de COVID-19. Ela foi descoberta no final de dezembro de 2019, na China.

Tabagismo aumenta o risco de contrair o coronavírus.

VERDADE. Além de ser a principal causa de doenças crônicas não transmissíveis como câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias, pesquisadores concluíram que fumantes podem ser mais impactados pela COVID-19. Isso porque eles apresentam um comprometimento no funcionamento de seus pulmões. Entre os pacientes chineses diagnosticados com pneumonia associada ao coronavírus, as chances de agravamento da doença foram 14 vezes maiores entre as pessoas com histórico de tabagismo em comparação com as que não fumavam.